Notícias e Novidades

13 de Abril de 2018

Calvície: conheça as causas e os tratamentos

O cabelo é uma proteção natural da pele da cabeça. Age, em especial, como filtro solar natural, protegendo contra o frio e o traumatismo. A quantidade média de cabelos no couro cabeludo varia de 100 a 150 mil fios. O ciclo biológico dos folículos pilosos não é sincronizado entre as unidades adjacentes, assumindo comportamento de mosaico no couro cabeludo.

Uma pessoa perde, em geral, de 100 a 130 fios por dia; e ele cresce 0,35mm a cada 24 horas. Em geral, o ciclo normal do cabelo programado geneticamente resulta numa troca de todos os fios num período de 3 a 5 anos, variando de pessoa para pessoa. 

Esse fenômeno pode ser percebido pelos pacientes de várias maneiras. Ao dividir o cabelo ao meio, a linha de divisão fica mais evidente (sinal da risca); e, ao prender o cabelo (rabo de cavalo), o prendedor fica mais solto ou é necessário dar mais voltas no elástico utilizado. Conforme evolução do quadro, o couro cabeludo torna-se mais evidente, podendo ficar totalmente aparente nos casos mais avançados.

Conheça os tipos de alopecia mais comuns na prática clínica.

1. Alopecia areata: Sua causa é desconhecida. Costuma apresentar-se em forma de círculos redondos no couro cabeludo, ainda que também possa estender-se a outras zonas do corpo. É um tipo de queda de cabelo muito relacionada com situações de estresse. Afeta por igual homens e mulheres e pode aparecer em qualquer idade. Uma em cada mil pessoas sofre este tipo de alopecia. 

 2. Alopecia androgenética: Também conhecida como “calvície comum”. Corresponde a aproximadamente 90% das alopecias atendidas no consultório dermatológico, apresentando perda de fios difusa do vértex e região frontal do couro cabeludo de homens e da linha média do couro cabeludo de mulheres. Está associada a sensibilidade individual ao estimulo androgênico (testosterona) de cada um. Pode ocorrer de forma análoga em mulheres, relacionada a situações de hiperandrogenismo relativo (menopausa e síndrome dos ovários policísticos, por exemplo).

3. Alopecia difusa ou eflúvio telógeno: É a perda aguda e progressiva do cabelo após doenças crônicas ou febris, estresse emocional, parto no caso das mulheres, etc. O cabelo se desprende facilmente ao fazer tração sobre ele. Não chega a produzir uma calvície total, mas o cabelo é escasso e tem um aspecto muito liso. O elemento desencadeador encontra-se geralmente de 3 a 5 meses antes do começo da queda. Entre suas causas, destacamos 3 principais:  Endócrinas (hipertiroidismo ou hipotireoidismo); Medicamentosa e Metabólica e nutricional (má nutrição)

Existem várias formas de tratamento. Podem ser administrados medicamentos sistêmicos, tópicos, prescrito o uso de lâmpadas LED  domiciliar ou laserterapia em consultório médico. O correto é, antes de instituir qualquer tratamento, inicialmente seja feito o diagnóstico com um dermatologista que encontre a causa da alopecia e inicie o tratamento adequado.

Fonte: veja.abril.com.br/saude

Mitos e verdades sobre a fotoproteção

80% dos brasileiros não sabem a quantidade ideal de uso do protetor.

Miopia: 3 conselhos para combatê-la e ter uma visão melhor

A Organização Mundial de Saúde estima que até 2050, 52% da população mundial sofrerá com esta condição, que nos casos mais extremos pode causar cegueira. Mas será que há soluções para isso?

Ministério da Saúde faz alerta para vacinação em período de férias

Uma das doenças de maior risco de transmissão no verão é a febre amarela, com registro em áreas com grande contingente populacional desde 2017.

assine nosso
informativo

Agência Interagir