Notícias e Novidades

09 de Abril de 2018

Cuidados tópicos com ferimentos

Situações do dia a dia, muitas vezes até simples, podem causar alguns ferimentos. Pequenos cortes, batidas e ralados são alguns dos inconvenientes que podem aparecer em ações rotineiras. Exatamente por isso, é importante estar preparado para atender quem chega com reclamações dessa natureza.

Existem diversas maneiras de descrever e nomear os ferimentos e suas complicações. De acordo com o coordenador do centro de trauma do Hospital Samaritano de São Paulo, Dr. Diogo Garcia, a classificação médica mais usual de ferimentos segue a seguinte lógica:

* Ferimentos por meios físicos: objetos que causam contusão, cortantes, perfurantes, lacerativos, escoriativos;

* Ferimentos por lesões térmicas: queimaduras e geladuras;

* Ferimentos por meios químicos: por exemplo, corrosões e queimaduras por ácidos.

Os ferimentos são classificados, também, de acordo com a sua descrição:

* Fechados: quando não há ruptura da barreira da pele;

* Abertos: quando há ruptura da pele com exposição de tecidos internos do organismo.

Os tratamentos dependem do tipo e das estruturas comprometidas no ferimento, mas para os mais leves, o Dr. Garcia destaca os principais tipos de assepsia:

* Ralado: limpar bem com água e sabão ou produto antisséptico. Após esse processo, secar bem a ferida e não cobrir, a não ser que o ralado entre em contato com alguma parte da roupa que vá incomodar.

* Cortes superficiais: demoram em média 48 horas para fecharem totalmente. O tratamento dura de sete a dez dias, que é quando o paciente não pode fazer força com a parte cortada.

* Cortes profundos: são caracterizados pelas bordas de pele abertas e com sangramento que não cessa. Nestes casos, é necessário procurar o hospital.

Fonte: Portal Guia da Farmácia

Mitos e verdades sobre a fotoproteção

80% dos brasileiros não sabem a quantidade ideal de uso do protetor.

Miopia: 3 conselhos para combatê-la e ter uma visão melhor

A Organização Mundial de Saúde estima que até 2050, 52% da população mundial sofrerá com esta condição, que nos casos mais extremos pode causar cegueira. Mas será que há soluções para isso?

Ministério da Saúde faz alerta para vacinação em período de férias

Uma das doenças de maior risco de transmissão no verão é a febre amarela, com registro em áreas com grande contingente populacional desde 2017.

assine nosso
informativo

Agência Interagir