Notícias e Novidades

15 de Dezembro de 2017

Olho aberto com os pequenos

As mudanças que o ser humano vivenciou em sua rotina nas últimas décadas atingiram também as crianças. Para o bem e para o mal. O sedentarismo e a má alimentação passaram a contribuir para que também as crianças apresentassem diagnósticos de colesterol, uma doença que, em décadas anteriores, era essencialmente atribuída a pessoas em idade adulta.

Dados da Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC) indicam que 20% das crianças e adolescentes entre os 2 e os 19 anos apresentam níveis elevados de colesterol no sangue. Além disso, ainda levando em consideração esse público, 8% têm altos valores de LDL (considerado o “colesterol ruim”) e 45% têm baixos níveis de HDL (“colesterol bom”).

Para Claudia Cozer Kalil, coordenadora do Núcleo de Obesidade e Transtorno Alimentar do Hospital Sírio-Libanês, é possível dizer que as crianças de hoje têm tido mais problemas com colesterol do que há 30, 40 anos. 

Riscos e tratamento - Crianças com colesterol elevado correm o risco de sofrer um infarto até 10 anos mais cedo na vida adulta. De acordo com a SBC, os pais ou responsáveis devem conversar abertamente com a criança nesta situação, explicando porquê ela deve manter uma alimentação equilibrada e praticar atividade física. Além disso, é preciso dar o exemplo. Não adianta cobrar que a criança se alimente adequadamente, se os pais estão sempre consumindo refrigerantes, exagerando nos doces ou vivendo de forma sedentária. Segundo a endocrinologista do Sírio-Libanês, após o diagnóstico na criança (que pode ser feito com simples exame de sangue), toda a família deve colaborar para mudar hábitos e incentivar práticas mais adequadas para o menor. “[É preciso] prevenir o aumento do colesterol com alimentos mais ‘in natura’ e menos processados, reduzir o consumo de açúcares e gorduras e evitar o ganho de peso. Mas se a criança já chega com a alteração laboratorial, a primeira medida é mudar hábitos, reorganizar a alimentação, estimular atividade física e reduzir as horas de ‘tela’”, explica Cláudia, em referência ao uso exagerado de tablets, celulares e computadores por crianças e adolescentes.

Sobre a alimentação, Neto ressalta que os maus hábitos passaram a fazer parte da rotina das famílias, gerando crianças que não comem minimamente o que é recomendado. “Hoje vemos crianças saindo de casa sem tomar café da manhã, trocando leite por sucos, restringindo ao mínimo a variedade de alimentos que querem comer entre outros erros que realmente nos deixam muito preocupados. Mal estar súbito, tonturas e desmaios por jejum prolongado causado pela falta do café da manhã passaram a ser comuns nas escolas”, avalia. 

No entanto, com o passar do tempo, aumenta o depósito de gordura nas artérias, favorecendo a ocorrência de infartos e derrames em idades precoces. E mais um ponto de atenção: famílias com histórico de colesterol alto devem redobrar a atenção quanto ao surgimento da doença nas crianças. 

Fonte: Coracaoevida.com.br

Devo me vacinar todo ano contra a gripe?

Veja respostas para essa e outras dúvidas sobre a imunização.

Veja seis dicas para deixar a pele hidratada no inverno

O dermatologista Murilo Drummond, do Instituto de Pós-Graduação Carlos Chagas, explica como evitar que a pele sofra com as baixas temperaturas.

10 benefícios da amamentação para a mãe e para o bebê

Segundo a OMS, a amamentação com o leite materno deve ser exclusiva até o 6º mês e continuar até os dois anos de idade.

assine nosso
informativo

Agência Interagir