Notícias e Novidades

15 de Dezembro de 2017

Olho aberto com os pequenos

As mudanças que o ser humano vivenciou em sua rotina nas últimas décadas atingiram também as crianças. Para o bem e para o mal. O sedentarismo e a má alimentação passaram a contribuir para que também as crianças apresentassem diagnósticos de colesterol, uma doença que, em décadas anteriores, era essencialmente atribuída a pessoas em idade adulta.

Dados da Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC) indicam que 20% das crianças e adolescentes entre os 2 e os 19 anos apresentam níveis elevados de colesterol no sangue. Além disso, ainda levando em consideração esse público, 8% têm altos valores de LDL (considerado o “colesterol ruim”) e 45% têm baixos níveis de HDL (“colesterol bom”).

Para Claudia Cozer Kalil, coordenadora do Núcleo de Obesidade e Transtorno Alimentar do Hospital Sírio-Libanês, é possível dizer que as crianças de hoje têm tido mais problemas com colesterol do que há 30, 40 anos. 

Riscos e tratamento - Crianças com colesterol elevado correm o risco de sofrer um infarto até 10 anos mais cedo na vida adulta. De acordo com a SBC, os pais ou responsáveis devem conversar abertamente com a criança nesta situação, explicando porquê ela deve manter uma alimentação equilibrada e praticar atividade física. Além disso, é preciso dar o exemplo. Não adianta cobrar que a criança se alimente adequadamente, se os pais estão sempre consumindo refrigerantes, exagerando nos doces ou vivendo de forma sedentária. Segundo a endocrinologista do Sírio-Libanês, após o diagnóstico na criança (que pode ser feito com simples exame de sangue), toda a família deve colaborar para mudar hábitos e incentivar práticas mais adequadas para o menor. “[É preciso] prevenir o aumento do colesterol com alimentos mais ‘in natura’ e menos processados, reduzir o consumo de açúcares e gorduras e evitar o ganho de peso. Mas se a criança já chega com a alteração laboratorial, a primeira medida é mudar hábitos, reorganizar a alimentação, estimular atividade física e reduzir as horas de ‘tela’”, explica Cláudia, em referência ao uso exagerado de tablets, celulares e computadores por crianças e adolescentes.

Sobre a alimentação, Neto ressalta que os maus hábitos passaram a fazer parte da rotina das famílias, gerando crianças que não comem minimamente o que é recomendado. “Hoje vemos crianças saindo de casa sem tomar café da manhã, trocando leite por sucos, restringindo ao mínimo a variedade de alimentos que querem comer entre outros erros que realmente nos deixam muito preocupados. Mal estar súbito, tonturas e desmaios por jejum prolongado causado pela falta do café da manhã passaram a ser comuns nas escolas”, avalia. 

No entanto, com o passar do tempo, aumenta o depósito de gordura nas artérias, favorecendo a ocorrência de infartos e derrames em idades precoces. E mais um ponto de atenção: famílias com histórico de colesterol alto devem redobrar a atenção quanto ao surgimento da doença nas crianças. 

Fonte: Coracaoevida.com.br

Mitos e verdades sobre a fotoproteção

80% dos brasileiros não sabem a quantidade ideal de uso do protetor.

Miopia: 3 conselhos para combatê-la e ter uma visão melhor

A Organização Mundial de Saúde estima que até 2050, 52% da população mundial sofrerá com esta condição, que nos casos mais extremos pode causar cegueira. Mas será que há soluções para isso?

Ministério da Saúde faz alerta para vacinação em período de férias

Uma das doenças de maior risco de transmissão no verão é a febre amarela, com registro em áreas com grande contingente populacional desde 2017.

assine nosso
informativo

Agência Interagir